Buscar

Qual a marca que você quer deixar no mundo?


O que Michelle Obama, Anitta e Luiza Trajano tem em comum? São excelentes exemplos em construção de marca pessoal, seja na política, nos negócios ou na cultura pop internacional. Estas mulheres são verdadeiros cases de sucesso! Afinal, o que é marca pessoal? Vamos falar sobre isso?

Tenho falado bastante sobre personal branding.

Quando recebi o primeiro convite para debater sobre este tema, refleti muito sobre o assunto e principalmente como sou vista pelas pessoas.

Meu posicionamento no mundo sempre foi muito mais de forma comunicativa, espontânea, do que estratégica.

E nesta reflexão, lembrei de um fato importante que me fez despertar a necessidade de me posicionar como marca.

Eu trabalhava em uma grande empresa e havia sido convidada para um grande evento, para compor uma comissão importante. No meio desse processo, mudei de trabalho e, de um dia para o outro, aquele convite que já estava aceito, desapareceu. Naquele momento percebi claramente o quanto era importante que eu fosse vista no mercado como uma profissional, sem qualquer relação direta com o cargo que ocupo ou com a empresa que trabalhe.

Quando tive aquela percepção, eu sequer tinha conhecimento sobre o conceito de personal branding, mas já havia entendido sobre a necessidade de cuidar do produto mais importante: eu mesma.

Sim, eu e você somos um produto, igual aquele que compramos num supermercado.


Afinal, o que é personal branding?

Personal branding é a estratégia usada para criar presença e autoridade influenciando determinados grupos através da sua história, do seu conhecimento e da sua visão sobre o mundo.

Todos nós deixamos uma marca, entregamos valor e fazemos uma promessa para o mundo.

E o nosso nome é uma marca que precisa ser lembrada, precisa ter visibilidade, ser diferenciada e ser percebida com valor.

Assim como um produto no supermercado, que deve estar no corredor certo, bem posicionado, com rótulos visíveis, nós também temos que estar.

Você é o fabricante do seu produto e, portanto, terá que cuidar da qualidade e do grau de atração da sua marca pessoal. Isso é fazer a gestão da sua marca pessoal.

Autoconhecimento

É impossível falar em marca pessoal sem falar de autoconhecimento.

Você sabe quem você é e onde quer chegar?


A construção de uma marca pessoal sólida é um caminho de autodescoberta e o autoconhecimento é um pilar fundamental para a construção da sua marca pessoal e para a gestão desse branding.

O autoconhecimento nos ajuda a concluir sobre todos os fatores que são essenciais para a nossa imagem, quais as nossas motivações, valores, missão, o nosso propósito.

E quando nos conhecemos de verdade, conseguimos enxergar e identificar nossas vulnerabilidades que precisam ser trabalhadas, e nossas potencialidades, que devem ser evidenciadas.

Primeira impressão e linguagem corporal

Tudo impacta: como nos vestimos, como nos conectamos com as pessoas, como tratamos as pessoas, e até mesmo o tom da nossa voz.

Todos nós, de forma consciente ou não, somos capazes de observar tudo isso. Este é um fator presente na natureza humana. Não temos ideia de como nosso cérebro e imaginação são poderosos.

Outro ponto importante na construção da nossa marca pessoal é a linguagem corporal. Caso as nossas palavras e comportamento se mostrem desalinhados, sem dúvidas poderão trazer um impacto negativo, já que o visual comunica tanto como as palavras.

Dessa forma, é fundamental que estejamos sempre atentos às mensagens não verbais que nosso corpo transmite, já que elas podem nos ajudar positivamente ou gerar desconfiança/desinteresse das pessoas.

Algumas dicas que fazem diferença neste quesito:

1. Demonstre interesse genuíno na conversa com o outro. Esteja atento e presente. Evite gestos de desinteresse como expressões faciais de descaso ou consultar o celular.

2. Escute o outro, sem julgamentos.

3. Tenha um olhar atento, converse sempre gerando contato visual.

Já que a primeira impressão é a que fica, vocês podem me questionar: e a segunda, a terceira? Sim, todas são importantes. Agir de forma ética e ter uma boa reputação é a base de toda a marca pessoal. Contudo, se a primeira impressão não for boa, não existirão outras oportunidades. Pense nisso!


Somos (e deixamos) uma marca

Como já disse, eu sou uma marca e você também e deixamos uma marca, tenhamos consciência disso ou não. E a nossa marca pessoal é a impressão que as pessoas tem quando pensam em nós.

Então, nunca crie uma marca pessoal falsa. Ela tem que ser autêntica, ser a nossa melhor versão, para ser precisa.

Na construção da nossa marca pessoal, é importante consultar a opinião de pessoas presentes em nosso ciclo pessoal, tais como, familiares, amigos, colegas de trabalho e pessoas que nos conhecem. Isso nos ajudará a entender como estamos sendo percebidos e se estamos conseguindo transmitir algo real.

Networking

O conceito de networking no Brasil ainda tem resistência cultural, especialmente no mundo do direito, uma área ainda considerada como sendo muito formal. No entanto, devemos ter claro que, a construção de uma rede sólida de contatos é fundamental para a criação e consolidação de sua marca pessoal.

A construção de relações baseadas na confiança, de forma genuína, toma tempo e deve ser mantida, ao mesmo tempo que ampliada, de forma constante.

As oportunidades, sejam elas profissionais ou pessoais, surgem através das interações autênticas e reais entre as pessoas.

A verdade é que qualquer relacionamento demanda muito trabalho e a chave do sucesso é muita dedicação.

Algumas dicas para fazer boas conexões:

1. Use e abuse do LinkedIn.

2. Não seja inconveniente com a sua rede de contatos. Nada de spam, puxar assuntos sem sentido apenas para aparecer. Sempre busque por assuntos em comum.

3. Crie conteúdos e interaja em assuntos de seu interesse e que agreguem valor.

4. Seja recíproco, sempre! Não use o networking apenas para pedir favores, lembre-se que ele é uma via de mão dupla.

5. Sempre dê retornos. Se for o caso, avise que está ocupado e que logo retornará.


Redes sociais

A visibilidade e reconhecimento que se constrói com a marca pessoal não é imediata. Conquistamos a cada dia, a cada ano e isso tem a ver com a reputação que se constrói.

As mídias sociais nos ajudam a construir (ou a destruir) a nossa reputação. Então seja consistente em todas as redes sociais que estiver presente.

Um conselho importante: nunca trabalhe uma marca profissional de uma forma que esteja totalmente desalinhada com quem você é. Seja consistente e fiel a você.

Seja cuidadoso, pense. E se tiver alguma dúvida, não publique.

A construção de uma marca pessoal é algo que toma tempo e está em constante transformação. O seu branding e a impressão que as pessoas têm sobre a sua marca pessoal ou profissional, devem refletir aquilo que você é, pensa, acredita e faz.

E aí, como anda a sua marca pessoal?

Inspire-se em pessoas como Michelle Obama, Luiza Trajano e Anitta, todas com excelente construção de marca pessoal.

Norma Mosic - Executiva jurídica há mais de 20 anos. Participa da Comissão de Departamentos Jurídicos e da Mulher Advogada da OAB Pinheiros. É membro do Jurídico de Saias. Criadora do Normalize+ e co-criadora do Na Janela Podcast. Vive intensamente todos os dias, acredita em relacionamentos genuínos e no equilíbrio pessoal e profissional.

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo